6 Lições do Xadrez sobre gestão e liderança.

O Xadrez em muito se assemelha a nossa vida, nos prepara para tomar decisões mais acertadas e desenvolver habilidades excepcionais.

Várias são as lições que o Xadrez apresenta para nossa vida, desde as habilidades cognitivas como concentração, foco, memória, velocidade no raciocínio, até valores como honestidade, perseverança, paciência e disciplina. E quando falamos sobre gestão e liderança não é diferente.

O jogo de Xadrez tem muitas analogias pertinentes para o ambiente empresarial que vão do foco no objetivo até o trabalho em equipe.

Separamos seis das principais habilidades trabalhadas pelo jogo que irão contribuir com seu modo de ver os temas gestão e liderança e que, se aplicados em sua empresa poderá trazer ganhos sólidos para você e seus colaboradores.

Gestão e liderança tem tudo a ver com Xadrez

1 – Objetivos e metas

Um grupo de peças trabalhando por um objetivo comum: cercar o Rei adversário. Ao decorrer da partida as peças trabalham juntas por esse objetivo. Em momento algum o jogador mais experiente perde o foco. No caminho até o alcance da meta pode ocorrer a captura de peças, ou quem sabe uma perseguição a Dama adversária, mas o objetivo final, a missão maior é sempre o mate. Todo cuidado é pouco para não falhar no resultado (foco) nem perder pelo tempo (prazo).

Na empresa: Meta é a palavra mais ouvida no mundo empresarial. Uma empresa vive de resultados e esses resultados são alcançados através de metas e objetivos. Perder o foco significa navegar livremente em um oceano de possibilidades, ou seja, a chance de não se atingir o objetivo torna-se maior do que a de atingir. Manter a atenção no que é realmente importante influencia diretamente em um outro fator importante, o prazo.

2 – Trabalho em equipe

Durante uma partida de xadrez o jogador tem de coordenar todas as suas peças em prol de um objetivo. Desde o menos valioso peão até a Dama, todos devem cumprir seus papéis trabalhando em harmonia. Não se conduz uma partida utilizando somente os bispos ou cavalos. Ganha-se coordenando todo o exército, utilizando o melhor que cada peça pode proporcionar.

Na empresa: Não existe empresa que cada um age por si. Ou todos remam na mesma direção ou o barco afunda. Cabe ao gestor utilizar o melhor de cada colaborador, cada parte tem sua importância para o resultado final desde o gerente ao pessoal de serviços gerais. Sabendo de suas funções, onde e quando agir, o grupo, com diferentes elementos, de diferentes níveis de hierarquia e responsabilidade devem agir como engrenagens em uma máquina.

O trabalho em equipe pode gerar resultados fantásticos

3 – Planejamento

Um plano ruim é melhor do que nenhum plano. No Xadrez assim como nos negócios um plano é absolutamente necessário para condução à vitória. Os movimentos não podem ser feitos de forma aleatória, cada jogador calcula até onde consegue as consequências de cada lance a ser feito e, antes de cada execução, há um planejamento.

Na empresa: Imagine uma empresa onde a cada dia muda-se o objetivo: Hoje vamos pensar em A, amanhã em B. Não precisa ser um administrador para perceber que não irá longe dessa maneira. As ações antes de executadas, são planejadas, e esses planejamentos por sua vez são feitos em estudo de causa. Mesmo que o planejamento seja raso, toda ação deve ser pensada. É uma máxima inegável no ambiente empresarial. Quanto melhor o planejamento, menos as situações tendem a sair do controle.

 4 – Tomada de decisões

Sim, no Xadrez a todo momento devemos tomar uma decisão. Jogar com essa ou aquela peça? É a melhor hora para agir? Devemos ir para o ataque agora, ou ainda é necessário “arrumar a casa”, cuidar da defesa do nosso Rei e depois atacar? A cada lance é necessário uma nova avaliação da situação, e logo, uma decisão deve ser tomada: qual o melhor lance para essa situação?

Na empresa: Em vários níveis, graus de importância e dificuldade somos levados a tomar decisões o tempo inteiro. Uma capacidade admirada em bons gestores é a capacidade de tomar decisões de forma segura e acertiva. Utilizar tais recursos agora ou esperar mais algum tempo? Contratar mais pessoal? Como reduzir os custos? Devo ter uma conversa séria com minha equipe ou é momento de motivá-los de alguma forma? Essas e outras tomadas de decisões são feitas a todo momento, e quanto mais conhecimento e experiência se tem, mais segurança se adquire.

No esporte dos Reis tomar decisões erradas pode custar caro

5 – Responsabilidade

O Xadrez é um esporte individual que exclui completamente o fator sorte. É completamente meritocrata. A parte boa é que se nos dedicarmos aos estudos, jogarmos com cautela e paciência, procurarmos a evolução na teoria do jogo e ficarmos atento as mudanças de condições durante a partida é provável que cheguemos a vitória. Em contrapartida, quando não calculamos uma possibilidade ao nosso máximo, quando jogamos uma partida de forma displicente, ou subestimamos um perigo, isso nos leva a derrota. Temos que assumir a total responsabilidade das nossas ações, os méritos e deméritos são exclusivamente seus e não há como colocar a culpa na previsão do tempo ou nos dados. Não há como fugir da responsabilidade no Xadrez.

Na empresa: Além da responsabilidade com nossos próprios prazos, metas e demandas, temos uma responsabilidade coletiva no ambiente empresarial. Sabemos que se deixarmos de realizar uma tarefa prejudicaremos pessoas de outro setor. Que faltas excessivas ou atrasos comprometem a harmonia de trabalhar em equipe. Quando decidimos participar de uma equipe aceitamos junto com isso as responsabilidades que nosso cargo nos exige. Temos responsabilidade não só com a chefia, mas também com os resultados e com cada colega de trabalho e colaborador.

6 – Evolução

Não se torna um forte jogador do dia para a a noite, tampouco lendo livros ou jogando partidas aleatórias. É necessário uma combinação desses fatores, além de um último, mas não menos importante: analisar as suas próprias partidas. As partidas de campeonato, ou que decidimos estudar, geralmente são anotadas para que possamos analisar em momento posterior os nossos erros e acertos. Somente avaliando quais aspectos erramos é que descobrimos o motivo de não termos obtido sucesso em uma partida.

Na empresa: Não é diferente. É praticamente impossível que um gestor acerte todas as decisões ao longo de sua carreira. As falhas ocorrem em algum momento, porém após uma decisão, deve-se avaliar os resultados para que os erros cometidos em um momento não seja repetido para que as falhas sejam corrigidas e assim, busquemos a evolução constante.

Fonte: estavos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s